Publicado em Uncategorized

Relacionamentos Sérios

Boa tarde pessoal!

Hoje vamos publicar o texto de uma aluna que concluiu o curso de Capacitação Profissional neste primeiro semestre de 2014 e passou pelas oficinas de sexualidade aqui na Unibes.

Olha só que legal:

casal-mao-dada-passeio-amor-sexo-10240

“Relacionamentos Sérios”

Já ouvi dizer que duas pessoas quando se amam, movem céus e terras para ficarem juntas; que quando amam, ficam bobas, reparam nos detalhes e se conhecem pelo olhar…
Passam o dia trocando mensagens pelo celular e ainda assim, quando estão juntas, tem muito o que falar.
Ouvi dizer que parecem dois amigos; compartilham segredos, são fiéis até nas palavras…
Ouvi dizer que relacionamento sério só se torna sério quando as duas pessoas estão dispostas a andarem de mãos dadas e a realizarem cada sonho, um ao lado do outro…

Herlândia Silva Soares – Turma E

Bonitinho, não?

Vocês também podem enviar textos, poesias e outras idéias pra gente publicar aqui! Que tal?

Anúncios
Publicado em Uncategorized

Gravidez na Adolescência

A gravidez pode ser uma das fases mais importantes na vida de uma mulher…

Mas, e quando isso acontece muito cedo, de uma forma não planejada?

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, 444.056 adolescentes brasileiras, entre 10 e 19 anos, tiveram filhos em 2009. Destes, mais de 70 mil casos se referem ao estado de São Paulo, o maior em todo Brasil.

A cada ano, cerca de 20% das crianças que nascem no Brasil são filhas de adolescentes. Esse índice representa três vezes mais garotas menores de 15 anos grávidas do que na década de 70.

Pregnant woman

Pesquisando sobre o assunto, encontramos algumas possíveis justificativas para as práticas sexuais desprotegidas que, consequentemente, podem levar a uma gravidez não desejada:

– falta de informação e comunicação entre os familiares, pela presença de tabus e pelo medo do adolescente em assumir que tem uma vida sexual ativa;
– não utilização de métodos contraceptivos de forma adequada e correta, por conta até da instabilidade das relações e dos encontros casuais (ora tá namorando, ora termina, ou então por não estar em um relacionamento sério com ninguém);
– o pensamento de que a gravidez é uma possibilidade distante, que não vai acontecer no momento;
– e também a iniciação sexual precoce, pois quanto mais cedo ocorre a 1ª relação, menores são as chances de uso de métodos contraceptivos e, consequentemente, maiores são as possibilidades de gravidez.

E ai, vocês concordam com esses motivos?

A boa notícia é que com o aumento de ações de prevenção, orientação mais adequada sobre o uso dos contraceptivos e distribuição gratuita de camisinhas em postos de saúde, há grandes chances do índice de gravidez na adolescência diminuir.

Porém, segundo a médica Carmita Abdo, coordenadora do Projeto de Sexualidade do Hospital das Clínicas de São Paulo e professora da Faculdade de Medicina da USP, uma gestação precoce, embora não apropriada, nem sempre é indesejada.

“O desejo de conquistar uma vida melhor, de ter atenção e afeto e de começar a estruturar uma vida mais independente, muitas vezes, levam as meninas a, mesmo sem perceberem, esperar que uma gravidez resolva isso.” Para a médica, mais que informação, as crianças precisam aprender que podem realizar seus sonhos por meio dos estudos, do trabalho e da construção de um projeto de vida”.

A gravidez não planejada não é um problema exclusivo das meninas. Os meninos também não possuem condições estruturais para serem pais, afinal, um filho não é concebido por uma única pessoa.

Como vimos nos posts anteriores, uma das maiores preocupações dos adolescentes esta relacionada a 1ª vez. Muitos ficam em dúvida se estão preparados para iniciar a vida sexual. Uma outra forma de pensar sobre essa questão, é perguntando para si mesmo, se estão prontos para encarar as responsabilidades e as consequências que essa escolha pode trazer…

Caso acontecesse uma gravidez não planejada, como vocês enfrentariam a situação?

Publicado em Uncategorized

Os mitos da primeira vez…

Oi gente!

Vimos no post anterior que a primeira vez é cercada por angústias, ansiedades, preocupações e dúvidas, mas que também é um momento muito importante, de descobertas, expectativas, de escolhas e decisões!

Enfatizamos que essa iniciação deve ser pensada e valorizada, e que cada pessoa deve vivenciar esse momento somente quando se sentir preparada para isso.

Mas como lidar com os mitos e as fantasias que podem tornar mais tensa e difícil essa decisão?

primeira-relaçao

Hoje vamos comentar sobre os medos mais comuns, relacionados a primeira relação sexual.

– O corpo muda depois da primeira vez?
Não! Na verdade, o corpo se desenvolve em função da puberdade e isso vai acontecer independentemente do(a) adolescente iniciar a vida sexual ou não. É que ás vezes a primeira relação sexual coincide com esse período de mudanças… Por isso, muito gente faz essa associação! Mas fiquem tranquilos(as), a primeira vez não interrompe nem acelera o desenvolvimento do corpo! Iniciar a vida sexual não vai fazer os seios crescerem mais rápido e nem o bumbum aumentar!

– É verdade que dói?
Depende! Quanto mais nervosa e insegura a menina estiver, maior será o desconforto. A tensão prejudica a dilatação e a lubrificação da vagina, e isso dificultará a penetração, causando um incômodo durante a relação. Não vale a pena forçar, não… Se vocês não estiverem muito a vontade, esperem mais um pouco! Ir adiante sem que os dois estejam confortáveis pode tornar a situação muito mais difícil depois…

– A mulher sangra depois da primeira vez?
Nem sempre! Na maioria das vezes, esse sangramento é provocado pelo rompimento do hímen (membrana fininha que fica logo na entrada da vagina). Mas também o hímen pode se romper de uma forma em que os vasinhos de sangue não sejam afetados, não havendo sangramento algum! Existe alguns tipos de hímen que não se rompem nas primeiras relações… Viu? Não é uma regra! Só não vale achar que aquela menina que não sangrou na primeira vez, não era mais virgem, pois isso não é verdade! E é importante esclarecer também, que caso aconteça um sangramento, esse vai ser pouco e discreto, ás vezes, sendo percebido só no dia seguinte após a relação…

E a pergunta que não quer calar…

– Precisa usar camisinha?
Simmm! A primeira vez tem os mesmos riscos de qualquer relação sexual: gravidez e DST´s. Portanto, a camisinha é a garantia de uma vida sexual sem consequências indesejadas…

E você? Tem alguma dúvida relacionada a primeira vez?

Pode deixar aqui no blog, em forma de comentário, que a gente responde!

Até mais!

Publicado em Uncategorized

A primeira vez…

Chegou o momento tão esperado para alguns jovens e tão rodeado de dúvidas para outros… A decisão sobre a primeira relação sexual!

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 22% dos adolescentes fazem sexo pela primeira vez aos 15 anos de idade. Nas pesquisas realizadas a cada semestre com os jovens da Unibes, a primeira relação sexual da maioria aconteceu aos 14/15 anos.

Mas será que tem idade certa para isso?

sexo-primeira-vez

Na verdade, não! Cada pessoa tem que decidir por si só, levando em consideração suas razões, opiniões, valores, crenças…

É muito comum a idéia de que o momento certo é aquele em que você encontrou a pessoa ideal. Mas a grande questão é: como é essa pessoa ideal? É aquela que você ama e que te ama também? É aquela que te respeita? Como ter certeza do sentimento que o outro tem por você? E se essa relação não durar para sempre?

É normal que várias idéias românticas e que sentimentos fortes por alguém especial façam acreditar que, de fato, chegou a hora certa! É normal também, principalmente no começo do relacionamento, as pessoas confundirem admiração, atração, com amor. Por isso, é importante pensar quais são os motivos que o estão levando a realizar o ato sexual, quais são as suas expectativas em relação a pessoa e em relação a primeira vez com ela. Fazer só por fazer? Por curiosidade? Porque todo mundo já fez?

Muitos acreditam que a primeira relação é a passagem da vida infantil para a fase adulta, mas vale ressaltar que ninguém fica mais maduro ou “mais adulto” após o início da vida sexual. Também é muito importante analisar até que ponto essa decisão é sua ou se você esta querendo por pressão dos amigos ou do próprio(a) namorado(a). Seguir no embalo dos outros, nem sempre é a melhor escolha.

Como vocês podem ver, a primeira vez acaba sendo um momento cercado por diversas questões, preocupações, medo e ansiedade…

Ter dúvidas é normal e ficar apreensivo mais ainda!

Uma forma de lidar melhor com isso é fazendo essas perguntas para vocês mesmos… Conversar sobre todos esses sentimentos com o parceiro(a) também vai ajudar… Eles(as) podem ter as mesmas inquietações! E se estiverem inseguros ou incertos quanto a alguma situação (pessoa, momento, local, confiança), é melhor adiarem um pouquinho essa decisão! Talvez seja um sinal de que ainda não estão tão preparados(as) quanto imaginavam!

* Vale lembrar que é fundamental vocês estarem bem informados sobre os riscos e as consequências de uma relação sexual desprotegida e buscarem, junto a um profissional de saúde, a melhor forma de prevenção.

Até a próxima!

Publicado em Uncategorized

Absorvente interno. Pode? É ruim? Incomoda?

Bom dia! O post de hoje vai tratar sobre absorventes íntimos… mais especificamente sobre o uso do absorvente interno, conhecido popularmente como tampão.

Antes disso, vocês já pararam para pensar como as nossas avós ou bisavós faziam nos dias em que estavam menstruadas? Naquela época, não tinham inventado ainda o absorvente e elas tinham que utilizar toalhinhas higiênicas, feitas de tecido, que eram lavadas e reutilizadas por vários meses! Já imaginaram que desconfortável?

Pois é! Atualmente existe uma variedade enorme de absorventes para as mulheres manterem a higiene íntima durante aqueles dias…

Absorvente

Os absorventes de uso externo, são feitos com tiras finas de algodão e com uma parte adesiva que serve para fixar na lingerie. Há diferentes tamanhos e espessuras e, basicamente, podem ser encontrados com abas, que ajudam a fixá-lo ainda mais à calcinha, impedindo-o de se mover.

Os absorventes internos também são feitos de algodão e possuem a forma de um cilindro. Diferente dos outros absorventes, esses absorvem o fluxo menstrual desde o interior da vagina.

Ambos são descartáveis, confortáveis, práticos e capazes de acompanhar o ritmo de vida das mulheres. Porém, certos modelos podem causar problemas, como alergias e irritações, devido ao plástico e outros materiais utilizados na fabricação, que ao entrar em contato com a pele da região íntima feminina, podem provocar esses desconfortos temporários. Mas também essas situações são raras e normalmente ocasionadas pelo uso inadequado, como por exemplo, por não trocar o absorvente de tempo em tempo.

Os absorventes internos, em particular, são bem higiênicos, e para utilizá-los sem correr riscos é fundamental que a mulher conheça o próprio corpo. Quando são colocados conforme as instruções da embalagem, quem os usa praticamente nem sente que está menstruada. Quer coisa melhor do que isso?

Uma dúvida comum é se meninas virgens podem usar esse absorvente interno e a resposta oferecida pelo próprio fabricante do produto, e por outros médicos e especialistas é que sim. Segundo o site da Johnson&Johnson (www.jnjbrasil.com.br), fabricante do o.b.® e patrocinadora do nosso projeto, “a virgindade não representa um impedimento para o uso de absorventes internos. O hímen é uma pele elástica que fica na entrada da vagina, com uma abertura natural, por onde passa o fluxo menstrual. Existem diversos tipos de hímen, e a maioria das mulheres possui hímens com abertura por onde se pode normalmente colocar e retirar o o.b.® mini, sem qualquer dano ao hímen”.

E como a gente sempre ressalta durante as oficinas, o importante é saber que uma menina só perde a virgindade quando tem uma relação sexual.
Mesmo assim, para se sentir mais segura, antes de usar um absorvente interno consulte o seu ginecologista!

Se tiver alguma dúvida, comentário ou sugestão de temas para os próximos posts, envie para nós!

Até mais!

Publicado em Uncategorized

Relacionamentos…

“João amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

imagesCAWHIFT1que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

que não tinha entrado na história.”

(Quadrilha – Carlos Drummond de Andrade)

Gente, como é confusa essa questão de relacionamentos, não?

Hoje em dia tudo esta acontecendo muito rápido e por isso é comum ficarmos “perdidos” com tantos sentimentos diferentes às vezes por uma mesma pessoa, uma situação, um momento do dia…

É na adolescência que a gente começa a perceber que as pessoas pensam, se comportam e tem opiniões diferentes uma das outras…

Nessa fase também as emoções começam a ser vividas com muita intensidade… Achamos que tudo tem que durar para sempre, e em outros momentos queremos que determinada situação passe logo!

Pois é… tudo isso faz parte do nosso desenvolvimento, faz parte da vida!

Porém, essa rapidez em querer as coisas, faz com que tenhamos pressa nos relacionamentos também!

Para alguns, beijo esta sendo sinônimo de competição (“vamos ver quem beija mais?”), “te amo” tem o mesmo valor que bom dia e o sexo… Bom, o sexo esta virando prova de amor (“se você me ama, prova!)…

Será que isso não traz nenhum risco? Será que não traz nenhuma consequência?

Pensem nisso, pois semana que vem teremos um assunto muito importante para discutir!

Até lá!