Publicado em Uncategorized

Camisinha vencida

Oi gente!

São muitas as dúvidas relacionadas a camisinha e ao uso desse método após o vencimento. Essa matéria escrita por Marina Almeida, para o site UOL em 2008 esclarece essa questão e pontua outros fatores importantes que podem colocar em risco a eficacia do preservativo.

camisinhas

Camisinha não pode ficar muito tempo no bolso ou na carteira – por Marina Almeida – Especial para o UOL Ciência e Saúde

“É a data de validade das camisinhas que garante sua segurança e eficácia. Como qualquer produto fabricado com borracha natural, os preservativos, que são feitos de látex, perdem suas propriedades físicas ao longo do tempo e podem romper-se com mais facilidade depois de vencidos”.

Em geral, a validade dos preservativos varia de três a cinco anos e, após abertos, eles devem ser utilizados imediatamente.

Além dos maiores riscos de transmissão da Aids, Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) e da gravidez indesejada, a utilização incorreta do produto pode abalar a confiança na eficácia do método preservativo, trazendo como conseqüência a diminuição de seu uso e aumentando os riscos de doenças”.

Fátima Martins Leone, engenheira química da diretoria de qualidade do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), lembra ainda que, enquanto o preservativo estiver na data de validade, o fabricante é o responsável pelo produto e por eventuais problemas do consumidor.

Cuidados

Na prática, a vida útil e a segurança do preservativo podem diminuir se alguns cuidados não forem tomados – mesmo que o prazo de validade ainda não tenha vencido.

“Deve-se proteger o produto da exposição ao calor, à umidade e à luz. “Eles não devem ser guardados no porta-malas de um carro durante o dia, por exemplo”, explica Fátima. Isso porque o látex dos preservativos se degrada em altas temperaturas e suas características físicas são alteradas. Seguir as instruções de uso do produto e abri-lo apenas no momento em que será utilizado são outras recomendações da engenheira”.

“Não dobrar, torcer nem amassar as camisinhas também é um cuidado importante para a garantia de sua qualidade. Para evitar que os preservativos sofram alterações, eles não devem ser deixados por muito tempo no bolso ou na carteira, sugere Maria Cristina. Ela também ressalta que devem ser utilizados apenas preservativos com o selo do Inmetro e orienta o consumidor a escolher, sempre que possível, as camisinhas com a data de fabricação mais recente”.

Certificação

“O Brasil é um dos poucos países que adota a certificação compulsória para preservativos, ou seja, todas as marcas de camisinhas disponíveis no país passam por uma avaliação da qualidade do produto antes de serem vendidas ao consumidor ou distribuídas pelo Ministério da Saúde. Além disso, o Inmetro faz auditorias em que analisa amostras dos produtos disponíveis no país para verificar se eles cumprem todas as exigências de qualidade e segurança dentro de seu prazo de validade“.

Por isso, nada de desculpa para não se proteger! A camisinha é um dos métodos mais seguros e eficazes disponíveis e a sua distribuição é gratuita nos postos de saúde!

Qualquer dúvida, publique aqui no blog, que a gente responde.

Até!

Anúncios